Na Refriarte usamos o sistema de pagamentos do mercado pago que é um meio de pagamento, que protege o comprador e o vendedor.

A recusa de pagamentos é uma realidade no mundo das vendas online e ela pode acontecer por diversas razões.

Toda venda online tem sempre duas partes que estarão envolvidas: loja e comprador.

Quando um deles está exposto ou vulnerável, toda cadeia está sujeita à ação da fraude, gerando prejuízos.

Caso tenha problema com seu pagamento, entre na sua conta do mercado pago e acesse o link de suporte ( Clique aqui – Suporte mercado pago ).

Veja abaixo os 3 principais motivos para recusa de um cartão com mercado pago:

1 – Erro de cadastro

Talvez o maior motivo para que um pagamento seja recusado em uma compra on-line sejam erros de preenchimento do próprio comprador, principalmente em informações de número do cartão, endereço e CPF.

Isso faz com que os bancos de dados e os próprios emissores de cartão de crédito acabem não reconhecendo aquelas informações e, por isso, recusando o pagamento.

Seus dados do mercado pago devem ser os mesmo que estão cadastrados em seus bancos para não ter conflitos de dados, inclusive endereço e telefone. Confira se seus dados estão atualizados no banco e se os endereços estão iguais.

2 – Recusas Bancarias

Mais de 50% das recusas em pagamentos no e-commerce são feitas pelo banco ou pelo emissor do cartão de crédito e, infelizmente, o Mercado Pago (ou qualquer outro meio de pagamento) não tem controle sobre esse tipo de situação.

Quando um pagamento é realizado, as informações são enviadas para que os bancos emissores do cartão também analisem as transações.

Sendo assim, eles possuem autonomia para recusar cobranças com o cartão de crédito ou débito por diversas razões: expiração da data de validade do cartão, falta de limite, saldo insuficiente, cartão bloqueado ou desabilitado para compras on-line, entre outros.

3 – Sistema anti fraude do mercado pago

Além de proteger a loja digital contra fraudes, ou consumidores mal-intencionados, o Mercado Pago também protege o comprador.

Nesses casos, é necessário que o Mercado Pago seja mais criterioso, porque existem problemas importantes a serem resolvidos.

Quando um pagamento é processado por alguma solução do Mercado Pago, ele é analisado paralelamente pelo nosso antifraude e pelo banco, garantindo mais agilidade ao processo e, é claro, um sistema mais robusto.

O processo funciona assim:

1ª fase: Regras duras

A primeira parte do processo envolve a checagem de alguns perfis de compradores já bloqueados. É uma maneira de bloquear esquemas de lavagem de dinheiro.

 

2ª fase: 1st score

Se a transação não se enquadrar em um perfil já bloqueado anteriormente, passa para a checagem através da base de dados interna do Mercado Pago.

São mais de cinco mil variáveis analisadas.

Algumas delas envolvem se o cliente comprou através de um computador ou celular diferente, ou com um cartão de crédito diferente, por exemplo.

Nesta fase, se todas as informações estiverem corretas, uma recusa só acontece se aquele comprador já deu chargebacks em outras transações.

Quando uma compra é realizada, a inteligência artificial analisa milhares de variáveis, entre elas:

  • interações do usuário
  • velocidade das transações
  • histórico de compras
  • frequência de uso cartão
  • preferências de entrega
  • geolocalização
  • Entre outros…

Isso tudo é feito utilizando a rede neural própria do Mercado Pago, que conta com informações de qualquer usuário que já tenha feito uma compra na plataforma.

Se estiver tudo certo, a compra é aprovada. Se não, passa para o “second score”.

 

3ª fase: 2nd score

Caso ainda haja inseguranças nos dados oferecidos pelo comprador, a checagem passa para as bases de dados externas.

Neste processo, análises mais profundas são realizadas, buscando encontrar vínculos para que o pagamento seja aprovado.

O “second score” é uma varredura mais profunda ainda das informações, utilizando bases de dados externas.

Nesta etapa, as regras para aprovação são um pouco mais severas, já que a intenção é validar a identidade do comprador.

Caso ainda haja incertezas, passamos para a revisão manual.

 

4ª fase: Revisão manual

Se mesmo depois de todo esse processo, ainda houver motivos para questionar se aquele pagamento é legítimo, chegamos à última etapa de checagem, que envolve nossa equipe de revisão manual.

Nela, especialistas do Mercado Pago validam as informações através de bancos de dados e/ou entram em contato por telefone com o comprador para confirmar ou não o pagamento.

Tudo isso acontece da maneira mais ágil quanto for possível – em segundos nas três primeiras fases do processo ou em até 24 horas quando necessária a revisão manual – para que a venda seja concretizada e possíveis tentativas de fraude sejam bloqueadas.

Saiba quais são as principais fraudes que o sistema seguro do mercado pago protege o comprador e os vendedores

Phishing

Esse modelo simula o ambiente virtual de uma loja online dentro de um portal ou site malicioso com o intuito de coletar informações sensíveis do usuário, uma vez que, pela semelhança visual com o site original, induz a pessoa a inserir e validar dados, até efetuar as compras. Essas informações são roubadas e utilizadas para realização de transações não autorizadas.

Fraude Efetiva

Similar ao phishing, a fraude efetiva é a forma mais comum de fraude e acontece quando um hacker clona os dados de um usuário por diversos meios – online, máquinas de cartão de crédito ou débito, aproximação -, efetua compras no nome do titular do cartão e altera somente o endereço de entrega.

Violação de Senha

Ocorre quando os dados de acesso à loja virtual, isto é, login e senha, são violados pelo fraudador. Dessa forma, a fraude culmina na alteração dos dados de entrega, a fim de receber o produto em outra data e lugar. É possível que muitas compras sejam fraudadas no portal antes de serem identificadas como não autorizadas pelo dono da conta, prejudicando novamente o lojista, que já terá despachado o produto.

Autofraude

Neste caso, o comprador é a figura mal intencionada da equação. Ele realiza a compra normalmente, efetua o pagamento, recebe o produto e, dentro do prazo de 180 dias – garantia do Código do Consumidor -, contesta a compra junto ao seu banco ou operadora de crédito.